PERFORMANCES POÉTICAS - MULHERES NEGRAS

Imagem da vídeo performance "Descompasso"
Imagem da vídeo performance "Descompasso"

Imagem da vídeo performance "Herança"
Imagem da vídeo performance "Herança"

Imagem da vídeo performance "Indispensável Gentileza"
Imagem da vídeo performance "Indispensável Gentileza"

Imagem da vídeo performance "Descompasso"
Imagem da vídeo performance "Descompasso"

Este projeto é realizado pela artista-criadora Josefa Rouse. Um projeto que estava guardado, esperando que chegasse o tempo para movê-lo, eis que a oportunidade se deu no isolamento social em decorrência da Pandemia de COVID-19 em abril de 2020. A ideia inicial era performar ao vivo, mas o isolamento transformou o projeto em vídeo performance.

Neste período, a artista reencontrou-se com a escritora e ativista Maya Angelou e seu poema Ainda assim eu me levanto, então, gravou a própria voz expressando o poema  e, de forma simples e intuitiva, escolheu o lugar que julgou ser o melhor cenário da casa - em frente à sombra da grande porta de madeira da sala – e, ali, dançou.

 

Quando pensa em dançar - atriz que é -, ela dança com o corpo, objetos, imagens, sons, instrumentos e todos os elementos que podem mover as palavras, a sua vibração, seus sentidos, sensações e sentimentos.

A partir deste primeiro experimento, para a primeira edição do projeto, ela procurou em sua biblioteca particular mulheres negras poetas e brasileiras. Chegou à Não vou mais lavar os pratos, livro de Cristiane Sobral, atriz, diretora, escritora e multiartista com trabalhos reconhecidos nacional e internacionalmente.

 

Cada poema foi performado a partir do que suscitavam na artista: o que lhe diziam e onde lhe tocavam, o corpo dançava todo ou em parte, lento ou rápido, forte ou leve; os objetos, instrumentos, sonoridades e a voz dançavam para cada poema uma dança distinta. Os poemas escolhidos foram: Não vou mais lavar os pratos, Indispensável Gentileza, Herança, Descompasso e Opção, 5 poemas, 5 vídeos performances, e um projeto que nasceu de um momento de incertezas e medos, mas com esperança poética.

Sou um oceano negro, profundo na fé,
Crescendo e expandindo-se como a maré.

(Maya Angelou)

O objetivo do projeto é fazer chegar ao público nomes e trabalhos de mulheres negras que se dedicam a pensar e escrever sobre as suas angústias, alegrias, tristezas e desejos que são transformados em poemas e textos diversos que versam sobre a vida e como ela se desenrola aos nossos olhos sem que as vezes tenhamos tempo de perceber. Pretende valorizar diversos trabalhos de mulheres negras e dançar seus textos, suas músicas, sua arte, potencializando suas subjetividades na cena performada.

O projeto em sua 1ª Edição foi contemplado pelo ITAÚ CULTURAL no edital ARTE COMO RESPIRO – ARTES CÊNICAS – 2020. Foi veiculado no site do ITAÚ, ficando disponível durante um período de 24 horas, a partir das 20h do dia 24/08/2020 até às 20h do dia 25/08/2020.

O projeto é composto por 5 vídeos performances: "Não vou mais lavar os pratos", "Indispensável Gentileza", "Herança", "Descompasso" e "Opção", que podem ser veiculadas em plataformas digitais, sites e redes sociais.

FICHA TÉCNICA:

Idealizadora, artista-criadora e performer: Josefa Rouse.

Textos: Cristiane Sobral.

Produção: AIVU Teatro.

Agenciamento: Sem Paredes Cultural.

Público: Adulto.

Classificação: Livre.

Duração: 9'03".

Eu estou no tempo certo

De acertar em cheio

De ousar ter compromisso

De encontrar soluções

(Cristiane Sobral)

 

 

 

 

 

 

 

 

Foto_-_Não_vou_mais_lavar_os_pratos_(1)